segunda-feira, 1 de novembro de 2021

João e Rachel gostam de coisas que gostam de coisas


Do que gostas nesta vida? Se as coisas gostassem, de que gostariam? Aprende-se a gostar? Tem que não gostar para saber do que se gosta? 

 

A nuvem gosta 

de pousar na montanha.

E de coçar o peito 

no cume.

 

Com gostares e não gostares, João Pedro Mésseder dá o tom de seu novo livro de poemas para o público infantil e juvenil, Coisas que gostam de coisas, lançado em Setembro de 2021 pela Editorial Caminho. O livro é belissimamente ilustrado por Rachel Caiano, também parceira nos outros cinco livros da editora, de projeto semelhante: Pequeno livro das coisas (2012), Tudo é sempre outra coisa (2013), De umas coisas nascem outras (2016), Olhos tropeçando em nuvens e outras coisas: haicais ou quase (2017) e Canções do ar e das coisas altas (2018).

Os poemas provocam a imaginação do leitor e o desafiam com perguntas e com imagens, palavradamente, coloridamente:

 

Carregada de frutos em janeiro

a laranjeira gosta de desafiar

a frialdade do inverno,

docemente, alaranjadamente.

 

O poema acima, “Laranjeira”, convoca a imagem pela força da cor e da percepção do calor que ela traz, em pleno inverno. Não há como não lembrar da grande Adélia Prado e seu poema, de cor e de “quentura” semelhantes, “Impressionista”:

 

Uma ocasião,

meu pai pintou a casa toda

de alaranjado brilhante.

Por muito tempo moramos numa casa,

como ele mesmo dizia,

constantemente amanhecendo.

 

(Adélia Prado, Poesia Reunida, Rio de Janeiro, Record, 2015, p. 34)  

 

Em Coisas que gostam de coisas, Mésseder traz, como sempre, poesia com poesia (pode não parecer, mas há por aí muito poema sem poesia!), e também com bom humor, com delicadeza, com provocação, e com história. O conjunto de poemas por si conta-nos uma outra e única história, a da importância de haver diferentes “gostares”, diferentes olhares.

 

A claraboia

gosta de sol

gosta da noite

gosta de estrelas

gosta da Lua

gosta de névoas

mas, mais que tudo,

gosta de chuva percutindo o vidro

como baquetas numa tarola.

É da música da chuva

que ela mais gosta,

pois assim todos dão conta

de que está ali, junto ao telhado, a claraboia.

 

 

 

Inicialmente publicado em As Artes entre as Letras, 301, 27 de Outubro de 2021, p. 6, com o título «João gosta de coisas que gostam de coisas». Título alterado neste post pela responsável de edição do blogue.

 

Jaqueline Conte

 

Escritora e jornalista brasileira. Bolseira da FCT (Estudante do Doutoramento em Materialidades da Literatura da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra)

 

sábado, 23 de outubro de 2021

Dois livros a merecerem leitura atenta: um para jovens, outro para crianças, ambos para todos

Na novela gráfica portuguesa para adolescentes, o exemplo ultimamente mais apontado como de qualidade tem sido Desvio (Planeta Tangerina, 2020), de Ana Pessoa e de Bernardo Carvalho, sobre o amor adolescente, as tensões da solidão no jovem, a descoberta do mundo/da metrópole e as TIC (o olhar filtrado pelo ecrã do telemóvel que fotografa, que procura captar/capturar/mediar a relação do sujeito com o mundo, com todas as implicações que isso pode ter). De sedutor colorido, trata-se dum belo trabalho em que tanto a escrita de Ana Pessoa como a construção da narrativa visual por Bernardo Carvalho evidenciam os novos caminhos de qualidade que o nosso livro juvenil vem trilhando.

Outro aspecto que se consolida, no panorama actual: a reforçada presença do ilustrador/escritor no álbum narrativo. Exemplo paradigmático e de enorme qualidade é André Carrilho e A Menina com os Olhos Ocupados (Bertrand, 2020), que acaba de ser distinguido (Setembro de 2021) e bem com o Prémio Nacional de Ilustração. Tema: os efeitos nefastos e egocentrizadores do telemóvel na criança, que a impedem de ver e descobrir o mundo e de estar atenta ao que se passa em redor, pois os seus olhos vivem absorvidos pelo ecrã. De repente o telemóvel cai, quebra-se e a personagem infantil começa a descobrir o mundo com os seus próprios olhos. Sem ser muito elaborado, o texto é poético, em verso e revela-se especialmente eficaz na sua retórica. A ilustração de Carrilho (que mostra ser, além de grande ilustrador, notável pintor), apostando na hipérbole visual, na representação do movimento/da velocidade e no humor é verdadeiramente excepcional.




José António Gomes


IEL-C – Núcleo de Investigação em Estudos Literários e Culturais da ESE do Porto

 

sábado, 18 de setembro de 2021

Sugestões de livros infantis para os mais novos, em início de ano letivo

Álbuns narrativos, contos ilustrados e lendas, poesia… Não faltam livros de qualidade para os mais novos para promover o gosto pela leitura e o desenvolvimento das competências leitora e literária. É hora de pais, educadores de infância e professores do ensino básico pensarem séria e carinhosamente no assunto. Algumas sugestões:
















Leo Lionni 

Pequeno Azul e Pequeno Amarelo

Kalandraka




Extraordinária história contada em imagens e poucas palavras, marcada pela simplicidade e pelo génio do autor. Ideal para quem ainda não sabe ler. Um clássico de um grande artista: Leo Lionni. 















Aurore Petit

Uma mãe É como Uma Casa

Bruáa



Um belo objeto-livro e um olhar simples, mas pleno de afeto, sobre a maternidade. Ideal para quem ainda não sabe ler.















Max Velthuijs

O Sapo e o Rato Misterioso

Zero a Oito




Uma história contada por imagens e palavras sobre a aceitação ativa da diversidade. Ideal para quem está a aprender a ler. Mais um clássico dum artista premiado internacionalmente. Toda a sua série do Sapo (inicialmente publicada pela Caminho e agora pela Zero a Oito) é altamente recomendável. Na Caminho, este livro intitulava-se O Sapo e o Estranho














João Pedro Mésseder (conto)

Célia Fernandes (ilustração)

O Aquário

LeYa | Caminho





Uma história de peixes a lembrar o mundo dos homens (já traduzida também para castelhano e galego). Pela entreajuda e contra o preconceito, e com apelativas ilustrações. Ideal para 6-8 anos. Integra a lista das obras para Leitura Orientada aconselhadas pelo Plano Nacional de Leitura.














Álvaro Magalhães (contos)

Luiz Darocha (ilustração)

Contos do Rio que Corre

Município de Lousada




Histórias divertidas e cheias de sensibilidade em cenário lousadense, afirmam-se pela qualidade da escrita, da imaginação e da ilustração. Para quem já sabe ler.














Margarida Fonseca Santos (conto)

Fedra Santos (ilustração)

Conto do Moinho do Meio

Município de Lousada




Uma narrativa de mistério e amizade, com um moinho, protagonizada por bichos (espécies presentes nas terras de Lousada). Ilustrações e narrativa suscetíveis de encantar quem já sabe ler. 













Rita Taborda Duarte (conto)
Rachel Caiano (ilustração) 

O Leão Sem Juba, o Elefante Sem Tromba e a Casa Sem Telhado

LeYa | Caminho





História cheia de humor e de grande qualidade de escrita (e de ilustração) sobre a liberdade de se ser como se quer. Para quem já sabe ler. 

Rita Taborda Duarte, com uma obra infanto-juvenil distinguida e considerável, é também uma das vozes mais singulares da nossa poesia contemporânea. Rachel Caiano, por seu lado, é senhora duma bela e reconhecível figuração, várias vezes premiada.














Nuno Higino (poemas)

Kassandra Júlio (ilustração)

O Livro de Benício 

Letras & Coisas




Apelativas ilustrações para um punhado de belíssimos poemas para a infância, plenos de musicalidade, de valores essenciais e de inteligência criadora. Nuno Higino é, sem dúvida, um dos mais valiosos poetas portugueses a escrever para crianças. O livro foi belamente ilustrado pela mãe de Benício, um talentoso menino com necessidades de acompanhamento especiais.
















José Viale Moutinho (narrativas)

Ilustrações extraídas de obra histórica

Contos Populares e Lendas das Ilhas da Madeira e do Porto Santo

Cadmus




Este é o tipo de livro que se aconselha a todos, começando pelos adultos e acabando nos jovens que já leem razoavelmente. Uma forma de os adultos ficarem a conhecer, para depois retransmitirem aos mais pequenos, algumas destas histórias extraordinárias, recontadas com arte, graça e simplicidade por um notável e versátil autor, multipremiado.




Ana Cristina Macedo | José António Gomes

IEL-C – Núcleo de Investigação em Estudos Literários e Culturais da ESE do Porto

terça-feira, 22 de junho de 2021

Matilde-menina chega aos 100 anos!




20 de Junho de 2021: o centenário do nascimento de Matilde Rosa Araújo (Lisboa, 1921-2010). Para comemorar essa festa, poderá escutar uma bela canção com poema seu e música de Jorge Constante Pereira. A interpretação é de Vitorino. Bastará seguir o link no final deste texto.

Creio que ninguém melhor que Matilde soube o que era poesia capaz de “falar” ao coração e à sensorialidade da criança, em títulos como O Livro da Tila (1957), Mistérios (1980), As Fadas Verdes (1994), Segredos e Brinquedos (1999) ou Anjos de Pijama (2009). Mas não esqueçamos, tão pouco, os seus contos para os mais novos, em especial O Palhaço Verde (1960), O Sol e O Menino dos Pés Frios (1972), As Botas do Meu Pai (1977), O Passarinho de Maio (1990) ou História de Uma Flor (lindíssima narrativa curta em torno do 25 de Abril, com belas ilustrações de João Fazenda, publicada em 2008 após uma primeira edição, ainda nos anos setenta). 

Os animais (em especial os mais pequenos, modestos ou desdenhados) e a protecção da Natureza; os grandes mistérios e maravilhas escondidos nas pequenas coisas; a meninice e a velhice; o crescimento, a socialização e a descoberta do mundo; as profissões mais modestas e as injustiças sociais; a “diferença” de diverso tipo e a infância desvalida; a magia do circo e o enamoramento; a criança e a sua actividade lúdica; a infância como promessa de regeneração do mundo – eis alguns dos veios temáticos da escrita de Matilde. Uma escrita muito sábia do ponto de vista fónico-rítmico e que se deixou marcar positivamente tanto pelo cancioneiro popular e pela poesia trovadoresca, como pela poética mais andaluzista de Federico García Lorca.   

Talvez por isto que acabamos de afirmar, muitos foram os que musicaram textos da autora de O Cantar da Tila (1967), como Lopes-Graça, Adriano Correia de Oliveira, Jorge Constante Pereira, Fernando Lapa, Pedro Branco, David Lloyd, Joana Rodrigues e Madalena Carvalho, entre outros. São bem conhecidas, igualmente, as suas parcerias, em livro, com grandes artistas da ilustração como Maria Keil, Manuela Bacelar ou André Letria, entre muitos outros. 

Não esqueçamos, por outro lado, que Matilde Rosa Araújo é ainda autora de um belo livro de poemas “para adultos”, Voz Nua (1982), e de várias obras de ficção narrativa de preferencial destinatário adulto, bem como de alguns ensaios, antologias excelentes e um punhado de manuais escolares de Português não menos desafiantes. 

Premiada por diversas vezes em Portugal e no Brasil, foi candidata portuguesa ao Prémio Hans Christian Andersen do International Board on Books for Young People e uma das mentoras do IAC, Instituto de Apoio à Criança. Além do mais, foi uma democrata e uma antifascista de coração e de posições assumidas, e um ser humano maravilhoso, com um fino sentido de humor e de grande generosidade e delicadeza de alma. Por isso fez mais de mil amigos, certamente, colhendo sempre a simpatia de todos. 

Talvez tenha sido a mais devotada defensora dos direitos da criança que conhecemos. Matilde amava a infância e foi uma notável pedagoga, e uma reconhecida estudiosa da presença da figura infantil na literatura portuguesa.

Bem merece, por isso, que celebremos o centenário do seu nascimento e que honremos o seu imenso legado artístico e humano, dando a ler os seus livros aos mais pequenos e às novas gerações de educadores de infância e professores.

 

[Pode escutar aqui a canção “Ladainha da aranha” com poema de Matilde Rosa Araújo.]


 

José António Gomes

IEL-C – Núcleo de Investigação em Estudos Literários e Culturais da ESE do Porto

segunda-feira, 14 de junho de 2021

António, Como se Faz Cor-de-Laranja?

António Torrado foi-se embora hoje. Mas o seu pajem continua a não se calar. As hastes do seu veado continuam a florir (ou não fosse ele o veado da liberdade). A sua vassourinha continua a varrer as coisas chatas e velhas (no sentido peçonhento desta palavra) e a varrer, claro está, todos os ditadores. E o seu macaco aspirante a leitor, do Jardim Zoológico em Casa, e os seus bichos jogadores de futebol, do Elefante Não Entra na Jogada, e os seus Emilinho e Anacleto (co-inventados com a Maria Alberta) continuam a fazer-nos rir, rir, rir... O António é a graça feita palavra, é a parole conteuse por excelência, é o melhor contador de histórias orais e escritas que me foi dado conhecer pessoalmente. Ele, que teve como mestres Perrault, Andersen e Oscar Wilde, foi e continuará a ser mestre de muitos. Porque se tornou um verdadeiro artista da Palavra-Que-Conta-e-Encanta e que assim se converte em poesia. 

Solidário, fraterno, genuinamente interessado nos outros e não apenas em si próprio, o António é mestre doutra arte: a de fazer amigos. E por isso, hoje, os seus amigos (tantos são) choram. Porque sabem que, a esta hora, já ele está a brincar e a dizer piadas na companhia da Maria Alberta e da Matilde – a quem, por brincadeira, chamava às vezes paraninfa; e a querida Matilde ria, ria, ria...

Ai que dor, António. Que saudade já. Diz-me, António, diz-me como se faz cor-de-laranja.

 

11-6-2021

 

João Pedro Mésseder

domingo, 6 de junho de 2021

Leonor Riscado | In memoriam

 


Deixou-nos no passado dia 4 de Junho. Conhecíamo-nos há muitos anos. Era, acima de tudo, uma amiga fiel, verdadeira e solidária, de uma delicadeza de espírito rara, nos antípodas de qualquer espécie de egocentrismo. Mas foi também uma das professoras e investigadoras que mais sabiam, entre nós, sobre literatura para a infância e a juventude (LIJ). Escreveu muito e bem (comunicações, artigos, recensões críticas, apresentações públicas de livros) sobre os mais diversos autores e dirigiu não poucas teses e relatórios finais de mestrado sobre pedagogia da leitura e sobre LIJ. Fê-lo na Escola Superior de Educação de Coimbra, onde leccionava (e fazia-o com grande entrega pessoal e profissional), e onde desempenhou cargos como o de presidente do Conselho Científico. Foi ainda membro da Associação Portuguesa de Críticos Literários, da comissão de redacção, além de colaboradora permanente, da revista “Malasartes – Cadernos de Literatura para a Infância e a Juventude” (1999-2011), com textos sempre marcados pela qualidade da escrita, pelo rigor e por uma sensibilidade peculiar. Foi, além disso, colaboradora, desde a primeira hora, do Plano Nacional de Leitura, e membro de diversos júris de prémios literários. 


Deixa em todos os que a conheciam (colegas, escritores, ilustradores, amigos, alunos) uma enorme saudade. Nunca esqueceremos o seu olhar, o seu sorriso, a sua voz.  




José António Gomes




Fotografia retirada da página do Plano Nacional de Leitura

domingo, 2 de maio de 2021

«Escritores para crianças saúdam Junta de Salvação nacional»

Em 9 de Maio de 1974, que tinham em comum António Torrado, Alice Gomes, Ilídio Sardoeira, Ilse Losa, Isabel César Anjo, Lília da Fonseca, Luísa Dacosta, Luísa Ducla Soares, Madalena Gomes, Manuela Cruzeiro, Maria Cândida Mendonça, Maria Cecília Correia, Maria do Carmo Rodrigues, Maria Lamas, Maria Lúcia Namorado, Marina Algarvia, Mário Castrim, Matilde Rosa Araújo, Noémia Setembro, Papiniano Carlos, Sidónio Muralha e Sophia de Mello Breyner Andresen, para os seus nomes surgirem a assinar um telegrama noticiado nas páginas do vespertino A Capital

Pois bem, era comum a todos eles a circunstância de serem escritores e se dedicarem (também) à criação literária para a infância e a juventude. O título da notícia era: «Escritores para crianças saúdam Junta de Salvação nacional» e, logo no parágrafo inicial, reproduzia-se o texto do referido telegrama: «Escritores portugueses saúdam Junta de Salvação Nacional e, solidários com os objectivos Movimento 25 de Abril, comprometem-se a continuar a ser intérpretes e zeladores de uma autêntica Democracia num Portugal Novo, onde também a criança e o jovem, a quem têm dedicado grande parte do seu trabalho, ocupem o lugar justo que lhes é devido».


Iniciativa bela, justa e que dignifica quem assinou – pensarão muitos. Assim pensamos nós, também, que bem conhecemos da História o que foi a acção cívica e pedagógico-cultural de vários destes escritores em prol da protecção à infância e à juventude e em defesa dos direitos da criança. Essa infância que, em Portugal, era vítima chocante, escandalosa das políticas económicas, sociais e educativas do fascismo, num tempo em que o analfabetismo e a iliteracia, o abandono escolar, o trabalho infantil e a reduzida escolaridade obrigatória eram apenas quatro das muitas doenças graves de que padecia o país, sujeito que estava à ditadura e marcado por índices de pobreza intoleráveis.


Por outro lado, o telegrama evidenciava também, além da preocupação com a infância e a juventude, a assunção indirecta da dignidade estético-literária do «trabalho» de criação a que se devotavam estes escritores, o que constitui outro elemento digno de ser sublinhado.

Devemos esta informação e a exumação desta notícia a Eleonor Castilho, neta da escritora Maria Cecília Correia (1919-1993). A cópia chegou-nos à mão por via de outra mão amiga, a da Prof.ª Sara Reis da Silva, da Universidade do Minho, colaboradora habitual de A Inocência Recompensada


Com efeito, no quadro do centenário do nascimento de Maria Cecília Correia em 2019 e posteriormente, Eleonor Castilho tem desenvolvido um trabalho aturado e meritório no sentido de manter vivas a memória da sua avó e da obra para crianças e para adultos que nos legou. Essa atenção resultou já em exposições sobre a biografia e a escrita da autora de Histórias da Minha Rua, além de comunicações, publicações e outras intervenções, que muito oportuna e adequadamente têm evocado a sua personalidade rica, multifacetada, interventiva, além da beleza dos seus livros, vários deles a carecerem de reedição, para não falar dos textos inéditos que deixou e que importa sejam publicados. 


Terminemos então lembrando Maria Cecília Correia. Recorremos, para tal, à citação integral da entrada que lhe é dedicada no projecto Vercial:

 

«Maria Cecília Correia Borges Cabral Castilho (1919-1993) nasceu em Viseu e faleceu em Lisboa. Conhecida nos meios literários por Maria Cecília Correia, dedicou-se sobretudo à Literatura Infantil. Deixou um conjunto de livros inspirados no real, no quotidiano e cujas histórias têm como tema o mundo da criança: a beleza, o sonho e a magia.


Destacam-se na sua obra as Histórias da Minha Rua (Prémio Maria Amélia Vaz de Carvalho), Histórias de Pretos e BrancosHistórias do RibeiroO Coelho NicolauAmor Perfeito e O Besouro Amarelo. Para adultos, publicou Pretérito Presente e Presença Viva. Colaborou na revista Modas e Bordados e no Diário Popular. A escritora apoiou várias organizações ligadas à criança, participando com outros escritores na celebração do Dia Internacional do Livro para a Infância e Juventude. Muitos dos seus textos foram inseridos na exposição Brincar Através da Pintura, no Centro Infantil Artístico da Fundação Calouste Gulbenkian.


Obras: Histórias da Minha Rua, ilustração de Maria Keil, Lisboa, 1957?, 1975, 1977, Portugália Editora, Prémio Maria Amélia Vaz de Carvalho. Histórias de Pretos e Brancos e Histórias da Noite, ilustração de Maria Keil, Lisboa, 1960, Ática. Histórias do Ribeiro, ilustração de António Cabral Castilho, Lisboa, Edição da Autora, 1974, 1977, 1984. O Coelho Nicolau, ilustração de António Cabral Castilho, Lisboa, Edição da Autora, 1974, 1976. Amor Perfeito, ilustração de António Cabral Castilho, Lisboa, Edição da Autora, 1975. Histórias da Minha Casa, ilustração de Maria Keil, Lisboa, Edição da Autora, 1976. O Besouro Amarelo, ilustração de António Cabral Castilho, Lisboa, Edição da Autora, 1977. Bom Dia, ilustração de Carlos Barradas, Lisboa, Plátano, 1983. Manhã no Jardim, Lisboa, Plátano, 198-. Pretérito Presente, ilustração de António Cabral Castilho, Lisboa, Edição da Autora, 1976. Presença Viva ilustração de António Cabral Castilho, Lisboa, Secretariado da Pastoral das Vocações e do Ensino Religioso Médio, 1987.»

 

José António Gomes

IEL-C – Núcleo de Investigação em Estudos Literários e Culturais da ESE do Porto